Celebração precisou ser adaptada neste ano por causa da pandemia do novo coronavírus.

Primeira alvorada da Festa do Divino 2020, em Mogi, é transmitida pela internet As tradicionais alvoradas da Festa do Divino Espírito Santo, em Mogi das Cruzes, precisaram ganhar uma adaptação neste ano por causa da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Neste sábado (23), o evento foi realizado dentro da igreja e ganhou transmissão na internet.

Tudo para que os fiéis possam exercer a fé sem desrespeitar as recomendações de distanciamento social. Silêncio e vazio.

Os arredores da Catedral de Sant’Ana estavam assim na primeira alvorada do Divino Espírito Santo de 2020.

Tudo precisou mudar por causa da pandemia.

Os fiéis ficaram em casa, mas a tradicional celebração, que em anos anteriores levava mais de duas mil pessoas ao centro de Mogi das Cruzes às 5h, este ano teve que acontecer dentro da igreja.

Sem aglomeração, só com a presença dos festeiros, capitães de mastros, do bispo e de alguns padres. Uma forma diferente de rezar, mas a devoção é a mesma.

Os lanterneiros, que costumavam iluminar a caminhada, também foram representados nesta alvorada, como explica José Carlos Nunes, presidente da Associação Pró-Divino. “Fizemos questão de trazer as lanternas para mostrar que é a luz que ilumina, a luz que abre os caminhos.

Para mim é muito emocionante estar com a lanterna na mão hoje representando todos os lanterneiros que participam conosco todos os anos”, declara. Como as pessoas não puderam ir, a tecnologia fez toda diferença.

A celebração foi transmitida ao vivo pelas redes sociais.

Mesmo virtualmente, centenas de devotos acompanharam esta primeira alvorada do divino. Como é tradição, os sete dons foram celebrados.

A tecnologia permitiu que as pessoas interagissem pelos comentários e se sentissem mais próximas da festa, como afirma o voluntário Clauco Ricciele, que participa da organização e é responsável pela inovação. “A primeira live foi de cinco horas no primeiro dia.

Aí nós temos as outras e, basicamente, consegue levar para as pessoas a emoção de estar aqui.

É uma festa difícil, eu comentei com muitos amigos aqui na festa e foi a emoção maior que, até hoje, eu tive na festa.

Essa diferença, desse afastamento social, das pessoas estando em casa, dessa dificuldade da igreja vazia, da alvorada pequena.

Mas acho que os corações, as pessoas, estão mais fiéis e rezando hoje para essa pandemia acabar e tudo isso voltar ao normal”, explica Ricciele. A alvorada é a primeira oração do dia e faz parte da preparação dos católicos para a festa de pentecostes, afirma o padre Diogo Shishito.

“Jesus Cristo prometeu que enviaria sobre nós o seu espírito.

A alvorada representa essa espera da vinda do Senhor.

Na escuridão, ainda na madrugada, nós nos colocamos em oração na expectativa do novo Sol que brilha sobre nós e que traz a vida nova”, aponta o padre. Mesmo sem os devotos, a celebração teve muita emoção e foi recebida de forma especial pelos que estavam presentes.

Neste momento de tantas angústias, é a fé que sustenta e traz esperança, como declara a festeira Cícera Alexandra de Oliveira Margarido. “É triste, porque é sempre um momento de um público muito grande.

Acho até que um dos maiores públicos da festa é a alvorada.

Aquela fila do café.

É tudo muito significativo.

Não ter esses momentos não é fácil para a gente.

Para a gente, é para fortalecer mesmo.

Para a gente entender que de toda a festa, é linda, e esse ano a gente tem que entender que o principal motivo dessa festa é nossa espiritualidade, encontrar com Deus”. Neste ano, serão três dias de alvorada.

As próximas ocorrem na segunda-feira (25) e no dia 31.